Para que serve o design?

Com certeza que já comprou escovas de dentes desconfortáveis. E quer as tenha usado o tempo previsto ou trocado assim que teve oportunidade provavelmente não voltou a comprar o mesmo modelo de escova. O mau design tem essa característica: podemos comprar e utilizar uma vez, mas dificilmente compramos novamente. 

O mesmo não acontece com produtos bem desenhados. Quando encontramos algo que gostamos e que responde a uma necessidade, seja uma escova de dentes, uma mochila de viagem ou uma aplicação de telemóvel, tornamo-nos utilizadores “fiéis”. Pelo menos até aparecer uma alternativa melhor. 

Já alguma vez magoou o dedo mindinho e se apercebeu do quanto o utiliza diariamente, quando anteriormente pensava que era completamente inútil? Em semelhança a isto o bom design é invisível. Sabemos que algo está bem pensado quando não nos apercebemos da sua utilização. 

A verdade é que muitas vezes não nos recordamos das boas experiências, mas sim das dificuldades. Um mapa/folheto mal desenhado por exemplo pode fazer com que se perca num lugar que não conhece. Uma aplicação mal estruturada e difícil de utilizar depressa sai do seu telefone porque o espaço de armazenamento é limitado e demasiado precioso para guardar coisas que não fazem falta. Um website lento e mal organizado faz com que fujamos a sete pés e nunca mais voltemos. 

Mas um mapa bem desenhado, uma aplicação funcional e um website com uma utilização simples e natural são utilizados todas as vezes que forem necessárias. E para nós é tão natural que quase que não temos consciência que foram desenhadas. Tal como o dedo mindinho quando está de boa saúde.

Assim o grande objetivo do design é resolver problemas. Se não resolve um problema não tem um propósito e por isso não é bom design. É apenas algo bonito, sem objetivo. 

Deparamo-nos todos os dias com elementos de comunicação (folhetos, rótulos, cartazes, logótipos, etc) que não foram desenhados a pensar no público alvo mas sim desenvolvidos demasiado depressa, sem o cuidado e a atenção ao detalhe que a boa comunicação exige. 

Enquanto agência de comunicação o nosso objetivo não é desenhar para os nossos clientes mas sim para os clientes dos nossos clientes. Só assim existe comunicação eficaz.